sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

163 filmes de terror em apenas dois minutos e meio.


terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Curta-metragem: O último orgasmo.


Falando em fim do mundo...

Poucas horas antes do fim do mundo, um homem encontra a sua ex-namorada para dizer algumas verdades.


quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Sushi chefs combatem monstros do mar num trailer pra lá de maluco.


"The Monster Roll" é um trailer sensacional, divertido e conceitual, que foi escrito e dirigido pelo maluco do Dan Blank.

O filme mostra uma comunidade de "sushi chefs" se unindo para lutar contra um bando de assustadores monstros marinhos gigantes. 

Esse trailer/teaser estendido, lembra uma faceta dos filmes japoneses incorporando o "kaiju", ou monstro gigante, no gênero tokusatsu. 

Alguns exemplos de tokusatsu são a série de filmes do Godzilla e os seriados National Kid, Ultraman, Ultraseven, Spectreman, Jaspion, Changeman, Flashman, Jiraiya, Kamen Rider Black, Cybercops, Winspector e muitos outros. 

Já Kaiju (怪獣 kaijū?) é uma palavra japonesa que significa "besta estranha", "animal incomum", mas que costuma ser traduzida como "monstro". 

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Paul McCartney substituirá Kurt Cobain em show do Nirvana.



O cantor Paul McCartney vai tocar ao lado dos ex-membros do Nirvana, Dave Grohl e Krist Novoselic, substituindo Kurt Cobain nos vocais, segundo o tabloide The Sun.

O ex-Beatle teria ligado para Grohl, que o convidou a participar de alguns ensaios em um estúdio. E McCartney então sugeriu que eles tocassem juntos, e acabou participando de sessões em um estúdio ao lado de Grohl, Novoselic e Pat Smear, membro não oficial do Nirvana.



"Eu não sabia realmente quem eles eram. E eles ficaram dizendo o quão bom era estarem juntos novamente. E daí eu disse: O que? Vocês não tocaram juntos por todo esse tempo?", disse McCartney, segundo o The Sun. "E então alguém sussurrou para mim ‘Este é o Nirvanal. E você é Kurt’. Eu não conseguia acreditar. 

Ainda de acordo com o tabloide, a apresentação acontece na noite desta quarta-feira (12) no concerto de caridade em beneficio das vítimas do furacão Sandy, em Nova York. Além do Nirvana com McCartney, The Rolling Stones, Bruce Springsteen, Bon Jovi, Green Day, Kanye West e The Who também se apresentam esta noite no show beneficente 12/12/12.

fonte: THE SUN

__________________________________________________________________________

SIR Paul McCartney will front a Nirvana reunion tonight — replacing late singer Kurt Cobain. 

The sensational gig will see the surviving members of the grunge band together for the first time in 20 years.

And former Beatle Sir Paul will sing with them as they play a new song at a star-filled charity concert in New York.

Macca, 70, has been secretly working with Foo Fighters singer Dave Grohl and bassist Krist Novoselic after a recent session at a studio. The pair were founding members of Nirvana along with Cobain, who committed suicide in 1994.

Sir Paul said he rang Dave, 43, who asked him to come along to “jam with some mates”.

Macca had suggested they “just make something up” and found himself playing with Grohl on drums, bassist Krist, 47, and unofficial fourth Nirvana member Pat Smear, 53.

He said: “I didn’t really know who they were. They are saying how good it is to be back together. I said ‘Whoa? You guys haven’t played together for all that time?

“And somebody whispered to me ‘That’s Nirvana. You’re Kurt.’ I couldn’t believe it.” The Rolling Stones will also play at the 12.12.12 concert for victims of Hurricane Sandy.

source:   
g.smart@the-sun.co.uk

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Curta-metragem: Obra prima que levanta questões de racismo e intolerância.



Em um mundo que julga as pessoas pelo seu número, Zero enfrenta prejuízo constante e perseguição. Ele caminha um caminho solitário até que um encontro casual muda sua vida para sempre: ele conhece um zero fêmea. Juntos, eles provam que através da determinação, coragem e amor, nada pode ser realmente alguma coisa. Christopher Kezelos


Este conto de fadas escuro, mostra um mundo onde os habitantes são nascidos em um sistema de classe numérica. 

Confrontado com prejuízo constante e perseguição, o Zero solitário vai levando a vida, até que um encontro casual muda completamente a sua triste existência.

Zero emprega uma caracterização inocente e que contrasta diretamente com temas obscuros de racismo e intolerância que subjaz a história. 

Ele mostra como o amor e a capacidade de ver a beleza na mais escura das casas, nos permite transcender a nossa solidão e desespero e encontrar uma conexão autêntica com o nosso mundo. 

O curta-metragem "ZERO" é um projeto que visa apresentar as questões de racismo, intolerância e de julgamento. Todos nós precisamos de um pequeno lembrete de que há tanta beleza e amor em nosso planeta se abrirmos nossos olhos para isso.

Esse curta-metragem séria perfeito para passar nas escolas de todos os níveis.





domingo, 9 de dezembro de 2012

A sociedade atual está menos preparada para a morte



A "Magazine Littéraire", uma publicação mensal da França, dedicou um número recente a um único assunto: como a literatura trata o tema da morte. Eu o li com interesse, mas afinal fiquei desapontado. Alguns artigos podem ter tocado ideias com as quais não tinha familiaridade, mas em última instância eles apenas reiteraram uma tese bem conhecida: que além de abordar a ideia do amor a literatura sempre lidou com o conceito de morte.
Os artigos apontavam a presença da morte tanto nas narrativas do século passado como na literatura gótica pré-romântica, mas também poderiam ter citado a mitologia grega - talvez a morte de Heitor e o luto de Andrômaco - ou o sofrimento dos mártires em muitos textos medievais. Para não falar no fato de que a história da filosofia começa com a premissa do mais fundamental dos silogismos: "Todos os homens são mortais".
Talvez o problema tenha origem no fato de que as pessoas leem menos livros hoje do que nas gerações passadas. Seja qual for a causa, porém, perdemos nossa capacidade de aceitar a morte. 


A morte representada no filme "O Sétimo Selo", clássico de Ingmar Bergman

Aquele texto, um manual de orações editado pelo padre do século 19 Dom Bosco, era um lembrete de que não sabemos onde ou quando a morte nos levará - em nossa cama, no trabalho, na rua; com um aneurisma estourado, uma febre, um terremoto ou algo totalmente diferente. Naquele momento sentiremos a cabeça atordoada, os olhos doloridos, a língua seca, as mandíbulas travadas, o peito pesado, o sangue congelado, a carne consumida, o coração traspassado. 
Daí a necessidade de praticar o que Dom Bosco chamou de Exercício para uma Morte Feliz: "Quando meus pés imóveis me disserem que minha carreira nesta vida está prestes a terminar... Quando minhas mãos trêmulas e insensíveis não puderem mais te segurar, oh, meu bom Crucifixo, e a contragosto eu o deixar cair sobre meu leito de sofrimento... Quando meus olhos estiverem enevoados e distraídos pelo horror da morte iminente... Quando minhas faces pálidas e cinzentas despertarem compaixão e terror nos que me virem, e meu cabelo, molhado e eriçado com o suor da morte, anunciar a proximidade do meu fim... Quando minha imaginação, agitada pelos horrendos e assustadores fantasmas, afundar em tristeza mortal... Quando eu tiver perdido o uso de todos os meus sentidos... gracioso Jesus, tem piedade de mim."


Isso é puro sadismo, alguém poderia dizer. Mas o que ensinamos a nossos contemporâneos hoje? Que a morte ocorre longe de nós, em hospitais, que os enlutados não necessariamente acompanham o caixão até o cemitério, que não vemos mais os mortos. Ou melhor, nós os vemos constantemente - sendo espancados, alvo de tiros ou explosões; caindo para o fundo de um rio com os pés metidos em concreto; deitados inertes na calçada, com as cabeças rolando na rua. Mas esses não são nossos próximos e queridos; são atores.
A morte é um espetáculo - certamente nos filmes e na televisão, mas também na vida real. Devoramos reportagens na mídia sobre uma jovem que foi estuprada e assassinada, ou sobre as vítimas de um "serial killer". Não vemos os corpos torturados, porque isso nos lembraria nossa própria morte. Mas vemos amigos em prantos levarem flores a um local de crime ou montando uma vigília à luz de velas. Ou, muito mais sádico, vemos repórteres baterem à porta de uma mãe enlutada para perguntar como ela "se sentiu" quando soube da morte do assassino de sua filha. A morte em si é mostrada apenas indiretamente, através de imagens de amizade e dor materna, o que nos afeta de forma menos visceral.
A morte quase desapareceu de nosso horizonte de experiência imediato. O resultado é que a maioria das pessoas ficará muito mais aterrorizada quando chegar a hora de enfrentar o acontecimento que é nosso destino desde que nascemos - um destino que homens mais sábios passaram suas vidas inteiras tentando aceitar.


Tradutor: Luiz Roberto Mendes Gonçalves

fonte: UOL

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Curta-metragem: Uma estranha criatura corre contra o tempo para fazer a criação mais importante e bonita da sua vida.



É sempre bom quando um filme define sua própria lógica com uma linguagem excêntrica e visual perfeito.

O curta-metragem "THE MAKER" explora a preciosidade de nossos momentos na terra, o pouco tempo que temos com os nossos entes queridos e que realmente não passamos de um punhado de pó.

Um stop motion muito especial, agradável e quase tátil com o conceito de "universo artesanal."

O diretor Christopher Kezelos fez um curta-metragem lindo e inesquecível.




quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Curta-documentário: Nas Filipinas duas mil famílias moram no cemitério.




A cidade de Manila (Filipinas) é uma das mais superpopulosas do mundo e por isso duas mil famílias acabam morando no cemitério.

2000 famílias que vivem acima dos mortos no Cemitério Navotas.

Um lugar onde os bebês nascem e os mortos são enterrados.


above03 Above and Below

“Above and Below” "é um filme que tem menos de três minutos e não tem áudio. Exceto a soberba música da Nate Connelly que tentar levar o filme com uma certa ternura. 

Cenas de crianças correndo e brincando entre o lixo. E quando alguém morre, seu caixão torna-se meramente a fundação para casa de outra pessoa.

Um curta-metragem arrebatador e poderoso.

O diretor Stefan Werc conseguiu captar beleza, onde a tristeza (às vezes) consegue sorrir.


quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Curta-metragem ultra-sangrento sobre um detetive que pode investigar memórias de "criminosos" suspeitos




Em 2027, todo mundo tem um chip implantando no cabeção. 


Esse novo sistema de controle do crime, permite que você veja se uma pessoa cometeu ou não um homicídio. Ele registra tudo o que você vê, o que o torna então, um novo sistema de combate à criminalidade. 


Assistindo este curta-metragem "MEMORIZE", impossível não lembrar dos longas americanos Gattaca e Minority Report. E referências de alguns games como Max Payne ou Syndicate.


O curta-metragem foi dirigido pelo Eric Ramberg & Jimmy Eriksson. E ambos também estão no elenco do filme nos papeis principais. 

Matar no futuro será mais difícil... Será?






domingo, 2 de dezembro de 2012

sábado, 1 de dezembro de 2012

"O Taxidermista" é um filme de animação incrível.

Le taxidermiste


O curta-animação "Le Taxidermiste" é uma história de uma velha que quer pagar seus últimos respeitos a seu marido falecido. 

Ela recebe uma equipe de diretores funerários em sua casa, num apartamento estranho cheio de animais mortos. É hora de tirar o corpo e realizar a cerimônia. É hora de dizer adeus ao que é deixado para trás.




Descubra e se deliciei com  filme de animação produzido por pelos alunos Paulin Cointot, Dorianne Fibleuil, Antoine Robert e Maud Sertour da escola de animação SUPINFOCOM em seu último ano de estudo, 2010/2011.